PSP – Brave Story: New Traveler (SideQuest)

                          

Nesta segunda exploração ei de visitar mais uma vez de forma abrangente a biblioteca de RPGs do PSP. A nova busca é mais um reflexo do que me interessou em algum momento atual, ou não, entre o catálogo do portátil; artworks, nomes envolvidos, uma música, enfim, há diversas maneiras dum título chamar atenção.

Localizado exclusivamente ao território norte-americano pelas mãos da XSEED Games (em 31 de Julho/2007) Brave Story: New Traveler me cativa inicialmente pela sua arte, esta provida pelas mãos de Akira Yasuda, ou cujo pseudônimo chama-se Akiman. Este ilustrador pode ser lembrado pelos seus também ótimos traços oriundos de Street Fighter III: 3rd Strike.

A história do jogo ainda que traga um personagem original, Tatsuya (imagem), remete a criada na base de tudo, ou seja, pelo livro de Miyuki Miyabe Brave Story. Ambos os protagonistas do jogo e do livro/mangá/filme dividem em suma uma mesma busca na terra mágica de Vision; desejam pela oportunidade dada salvar aqueles que lhes são queridos. Mesmo assim a tomada tradicional da versão do PSP, 1 entre 3 existentes e baseadas na série (sendo as outras 2 para PS2/DS), me impulsiona num conceito do simples e pouco atrevido no que diz respeito ao conjunto da obra, o que não é ruim, isso se as minhas expectativas em relação ao carisma do que sinto existir aqui sejam correspondidas.

Desenvolvido pela recentemente fechada Game Republic — cujo fim permanece em mistérios, ou simplesmente muitas contas não pagas —, responsável por títulos como Folklore (PS3, 2007) e o não tão bem recebido Knights Contract (PS3/X360, 2011), Brave Story: New Traveler também recebe seu mérito gráfico perante outros lançamentos do gênero em mesma época. 

"If everything about Brave Story: New Traveler seems fairly standard, that’s because it is. What makes it quite so special, however, is that the presentation is simply fantastic. Game Republic has created a world that’s visually stunning and characters that are equally impressive. All of the character models are detailed and never seem like they’ve been scaled down to fit in with the PSP’s graphic styles. While certainly things aren’t as detailed as everyone’s favorite PlayStation 2 or Xbox 360 titles, Brave Story’s presentation is such that it fits the PSP perfectly. Attack animations are fluid and are accompanied by comic book or manga-like BOOM!s, BANG!s, and the like. Most of the environments are kept simple, but, much like the character models, don’t feel inferior because of the spectacular job Game Republic has done tailoring the game to the PSP console." — John McCarroll; RPG Fan Review Overall: 86% (1º de Agosto/2007).

O padrão ao qual John se refere no início da citação corresponde ao tradicionalismo que antes mencionei; Brave Story reflete, seguindo divisões hoje propostas, um JRPG no melhor sentido da abreviatura: muitas batalhas aleatórias, um world map para explorar, e decididamente uma trama cujo desfecho é o provido pela linha da linearidade e não as múltiplas opções e questionamentos perante à mesma como muito enraizado em alguns, novamente dividindo, WRPGs nos dias de hoje. Ao meu ver nada disso é um problema, mas isso vem de alguém que, ainda que maravilhado pela oportunidade de adentrar ou não um confronto como em Final Fantasy XII (PS2), tem felizmente dentre suas origens títulos como Dragon Quest III (versão do GBC). Quem nunca foi fã do gênero japonês de RPGs parece que dificilmente terá em Brave Story uma chance de mudar esta opinião, justamente pelo mesmo padronizar-se em termos de jogabilidade sobre muito do que hoje já não é mais tão bem aceito por alguns, sejam estes muitos ou não. 

Adentrando um pouco mais sobre a jornada de Tatsuya e seu desfecho descobre-se, ao seguir experiências, uma infeliz pouca exploração entre o mundo real e a terra de Vision, isso consecutivamente após o protagonista já ter se tornado um guerreiro em busca de 5 gemas que o levarão à Torre do Destino, onde por sua vez ele planeja desejar o retorno da saúde de sua amiga Miki na Terra. 

"The story is probably the largest failing of Brave Story. There is an interesting duality between the two dimensions, but it is hardly explored. In fact, the only times that the protagonist jumps back to the real world is when he gets a gem, and its only for a few seconds. I would have really loved to see the idea of two dimensions explored more thoroughly, instead of being used as a cheap plot device to try to convince me that I care about Miki’s welfare. Furthermore, it would have been nice if I didn’t feel so disconnected with the real world. The game rarely confronts any of this." — Brad Nicholson; Destructoid Review Score: 5.0 (18 de Julho/2008).

Enquanto o ponto de vista geral de Brad seja desanimador para alguém que planeje jogar New Traveler, ele fica entre a minoria, como bem mostram as médias e demais avaliações via Metacritic. Contudo em outro ponto de sua análise Brad cita que o sistema de batalha — ainda que segundo o mesmo nem tanto assim — dá certo, este que ao meu ver não apresenta-se distante realmente do que já foi largamente explorado, mas que ainda assim retorna alguns conceitos legais como habilidades especiais e conjuntas, similarmente vistos no aclamado Chrono Trigger (SNES).

A reutilização de materiais já usados em forjas de acessórios também é um elemento positivo, além de que tecnicamente falando, e mais importante ainda (principalmente numa época em que tanto o PSPGo nem estava dando sinal de aparição, como outros sofriam pelo mesmo mal), seus load times, ou carregamentos, são ditos serem bastante rápidos. As batalhas também parecem seguir um ritmo agradável, como a citação a seguir mostrará:

"But what really makes Brave Story sing is the pacing. While the loading times certainly help, it should be noted that battles are fast, the menu options aren’t overburdened with unnecessary choices, and the combat system’s got enough special attacks (Bravura) and cooperative attacks (Unity) to make the game both visually appealing and strategically pliable." James Mielke; 1UP Editor Review Rating: A (31 de Julho/2007).

Brave Story: New Traveler é para mim, num conceito anterior ao seu debulhamento, uma trama carismática ainda que simplória sobre um protagonista de apenas 11 anos que recebe uma chance de vivenciar aventuras únicas e inesquecíveis num outro mundo de terras e seres fantásticos; é um RPG que não inovará o que já conheço, mas que não deixará de mostrar potencial mesmo sobre acertos de outros. Gostaria pelo menos que esse ar sentido pela similaridade entre a jornada de Wataru e Tatsuya fosse menor — quem sabe ao conhecimento de tudo ele, de fato, não seja?

Plus+

  • Brave Story: New Traveler por U$ 19.99 [Amazon].
  • Vídeo em ótima qualidade com 15:30 minutos do título; contém spoilers. A descrição dada por Vysethedetermined2 em seu canal é válida de leitura [Youtube].
  • Livro Brave Story de Miyuki Miyabe, autora de best-sellings que é mais conhecida por seus contos de mistério e suspense — segundo o site Amazon [U$ 12.74].
  • Trailer legendado da adaptação cinematográfica lançada em 2006, cuja animação ficou a cargo dos estúdios Gonzo [Youtube].
  • SideQuest anterior: Jeanne d’Arc [Level-5, PSP].
  1. jvhazuki publicou esta postagem
Comentários do blog desenvolvidos por Disqus